Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2015

ECONOMIA E A GLOBALIZAÇÃO!

Imagem
A logística do mundo globalizado


É integração econômica, social, cultural, política das nações. De todas as nações. Isso é globalização. Aquele conceito que muitas pessoas ainda encontram dificuldades para entender.
Nada mais que isso! No mundo globalizado uma economia interage com outra economia (entre nações), uma sociedade interage com a outra, uma cultura interage com a outra, as políticas se interagem... Mas o que é integração? Integração nada mais é do que um processo de comunicação. E comunicação é troca. Troca de conhecimentos, troca de valores, troca de status, troca de mercadorias, troca de pessoas, etc.
Mas, na globalização, essa troca, essa comunicação, essa integração, acontece no âmbito mundial, ou seja, global (óbvio). E desde quando, nós seres humanos, nos interagimos entre nações? Olha, esse é um processo antigo, muito antigo. Desde os primórdios as tribos nômades já faziam isso.
Mas e hoje o que dizemos dessa interação? Dizemos que ela se dá em tempo real. Por meio da i…

RESENHA CRÍTICA DA SÉRIE SHERLOCK

Imagem
Sherlock (série de televisão britânica). Criada por Steven Moffat e Mark Gatiss e é protagonizada por Benedict Cumberbatch como Sherlock Holmes e Martin Freeman como o Dr. John Watson.Baseada nos livros de Sir Arthur Conan Doyle, Sherlock leva as histórias do famoso detetive da Era Vitoriana, Sherlock Holmes, à Londres do século XXI, foram essas as informações que extraí do Wikipédia e agora começo minha resenha:
Sherlock do Século XXI


O Sherlock do século XXI é um cibernético. O detetive mais famoso do mundo agora parece ter acesso à uma cloud computing,ou como ele próprio diz na série, seu palácio mental,que se refere à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet, seguindo o princípio da computação em grade.
Sherlock tem um cérebro semelhante a um megacomputador, que é capaz de fazer deduções brilhantes em apenas alguns segundos. A margem de erro é mínima. 
Mas o que mais me chamou a a…

RESENHA de Atlas Shrugged

Imagem
"Quem é John Galt?" E ... Como o brilhantismo individual pode mudar o rumo da história mundial?




Se alguém contasse a você que os EUA passa por uma crise econômica que está por abalar a democracia do país, como seria sua reação? Você acreditaria? Oras, no país do "sonho americano" muitos ficariam céticos. Pois esse é o enredo do livro de ficção, um dos mais vendido nos EUA, nos dias atuais. Trata-se "Atlas Shrugged", no Brasil, "A Revolta de Atlas",  um livro que não é novo (1957) da autora e filósofa Ayn Rand. A saga foi relançada em 2010 e no ano seguinte (2011) ganhou os cinemas na triologia de mesmo nome, cuja a última parte, lançada em 2014.

A trama gira em torno do enigma "Quem é John Galt?". Aborda temas como empreendedorismo, inovação e criatividade. Mas também fala a respeito de políticas econômicas onde o governo insiste em taxar e regulamentar os cidadãos produtivos, suas empresas e realizações individuais, o que vai contra a …

CINEMA: Resenha do filme "Entre Nós"

Imagem
ENTRE NÓS: A história de um invejoso e, entre eles, cannabis! 
Não é o filme da minha vida, mas também não dormi durante o enredo. O destaque fica para belíssima atuação dos atores e da qualidade da película.

O filme conta a história de um canalha sem talento e sem escrúpulos, que finge estar atormentado pelo remorso. Oras, além de ter participado do acidente que matou um de seus colegas, mal o corpo esfriou, Felipe surrupia a obra literária de Rafa. O protagonista nem soube dissimular a inveja junto ao colega talentoso.

Revés! Antes a mocinha tivesse escolhido o bobão sem sucesso, mas optou pelo canalha.  

Debates sobre a "legalização" à parte, não me empolguei com o livre consumo de cannabis na história.

Um filme sobre a decadência moral. Não, o enredo não me empolga, exceto, como já disse, pela atuação de alguns  atores e do diretor. Passa longe dos filmes de Woody Allen, que me perdoem os apaixonados pelo cinema brasileiro.

Mas, o longa abre espaço para o debate, e vale a pena…